Rio de Janeiro no Século 20

Fonte principal: Governo do Rio de Janeiro

1937 - Implantando o Estado Novo - nomeado interventor federal o Cte. Ernâni do Amaral Peixoto, que reorganizou o sistema tributário, criou as Secretarias de Educação e Saúde Pública, Agricultura, Indústria e Comércio e desenvolveu amplo programa rodoviário e de abastecimento de água.

1941 - Início das atividades da Companhia Siderúrgica Nacional em Volta Redonda, estrategicamente localizada entre Rio de Janeiro e São Paulo, dois maiores centros de consumo e distribuição dos produtos de siderurgia. Seguem-se os governos de vários interventores federais até a eleição do governador Gal. Edmundo de Macedo Soares e Silva, em 1947, que imprime novo desenvolvimento: quadruplica a produção do aço e promove a produção de cimento, também ascendente. Reergue a produção agropecuária através de crédito rural e desenvolve o corporativismo.

1951-1954 - Eleito, Amaral Peixoto executa vasto plano rodoviário e incrementa a produção industrial; cria a Cia. Nacional de Álcalis, em Cabo Frio; conclui a Usina Hidrelétrica de Macacu, além de obras importantes de saneamento, água e esgoto em vários municípios e da adutora do Laranjal.

1954-1958 - o governador Miguel Couto Filho beneficiou o setor de saúde pública criando postos de atendimento e unidades itinerantes. Estendeu a rede elétrica a vários municípios.

1959-1961 - Roberto Teixeira da Silveira dinamiza a organização estadual criando as Secretarias de Energia Elétrica, Desenvolvimento Econômico, Administração Geral, Trabalho e Serviço Social e Comunicação e Transportes. Destaque para o Movimento Popular de Alfabetização.

Em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro deixou de ser Distrito Federal e Capital do Brasil, transferida para Brasília. O antigo Distrito Federal foi transformado no Estado da Guanabara.

Em Março de 1974, inaugura-se a ponte Costa e Silva, ligando as cidades do Rio de Janeiro e Niterói.

1975 - Em 15 de março de 1975, fundiram-se o Estado da Guanabara e o Estado do Rio de Janeiro, com o nome de Estado do Rio de Janeiro, assumindo o governo da nova unidade federativa o almirante Faria Lima. Em 23 de julho - Promulgação da Constituição do Estado do Rio de Janeiro.

Em 1982, pela primeira vez desde 1964, houve eleições diretas para governadores.

Mais: Rio de janeiro no Século 18 e Século 19

 

A avenida Rio Branco no início do século 20, quando o Rio de Janeiro tornou-se uma das maiores cidades da América.

 

Em 1903, a capital do Estado volta a se estabelecer em Niterói.

Em 1920, a população da cidade do Rio de Janeiro ultrapassa um milhão de habitantes.

1923-1927 - Feliciano Sodré - Construção dos portos de São Lourenço e Angra dos Reis, instalação de usinas elétricas.

No período da 1a. República, acentua-se, na terra fluminense, a crise iniciada no Império: lavouras tradicionais, café e açúcar estão em decadência. A produção de café concentra-se em Itaperuna, Muriaé e Itabapoana. Áreas cafeicultoras tradicionais como Cantagalo, Vassouras e Valença são substituídas pela pecuária, ocupando os solos esgotados. Cultivo de laranja e banana, em escala econômica, inicia-se na baixada fluminense, mas só a partir de 1926 atinge os mercados externos (Reino Unido).

1930 - (Revolução) - Sucederam-se na chefia do Estado do Rio vários interventores federais que revelam o controle exercido pelo Governo Federal sobre o Estado.

A situação econômico-financeira foi limitada aos próprios recursos do Estado, em razão dos reflexos sofridos pela Nação, provocados pelas mudanças políticas, assim como pela crise mundial de 1929. Reduziu-se a produção cafeeira, enquanto duplicou a produção canavieira. A partir de 1933 desenvolve-se a indústria do cimento. Faltam recursos para infra-estrutura, restringindo-se o desenvolvimento a aspectos sociais como assistência médica e ensino.

 

História do Rio de Janeiro

 

Desde o século 19, a explosão demográfica do Rio de Janeiro resultou numa proliferação descontrolada de favelas na Cidade. No início do século 20, as favelas já começavam a dominar os morros. Foto de Augusto Malta, Favela Morro do Pinto, Rio de Janeiro, 1912.

Mais Favelas do Rio de Janeiro

 

Rio Janeiro antigo

 

 

Estado Guanabara

 

Mapa RJ antigo

 

Rio de Janeiro

 

Favela Rio de Janeiro

 

Prédio da Universidade do Brasil, na Praia Vermelha, atualmente parte da Universidade Federal do Rio de janeiro. Abriga hoje a Biblioteca Pedro Calmon, em homenagem ao historiador baiano e reitor da Universidade nos anos '60.

Mais Universidades no Brasil

 

Historia Brasil

 

Universidade Brasil

 

Avenida Rio Branco

 

Turismo RJ

 

Copyright © Guia Geográfico - História